R.I.P Propaganda

rip_propaganda_Casal

“Aqui jaz a melhor maneira de divulgar um produto”. Será que é essa a frase perfeita para escrever numa suposta lápide para a propaganda? Antes de realizar a funeral, porém, que tal se perguntar se – de fato – ela morreu. Se a resposta for genérica, sim, a propaganda como conhecemos não está mais entre nós. Hoje é preciso um olhar 360° para expandir uma ideia. Uma visão periférica e estratégica. Ou seja, a propaganda morreu, sim, para quem tem medo das novas formas de comunicação. Para quem encerra o olhar em conceitos obsoletos.

A ampliação dos meios digitais não pode ser encarada como sintoma de uma doença incurável. Pelo contrário, deve ser observada como novas possibilidades e horizontes. E só quem estiver preparado com um plano global de mídia vai poder ocupar esses novos espaços. Planejamento e conhecimento de causa são terapias fundamentais para lidar com a situação e salvar a publicidade da morte iminente.

E um veículo não se sobrepõe ou encerra o outro. Cada mídia tem a sua importância e precisa ser avaliada dentro de uma estratégica ideal de comunicação. As mídias tradicionais e off-line, por exemplo, não podem ser descartadas frente ao crescimento das mídias online. A presença no mundo virtual é tão importante quanto no mundo real para atingir a excelência nos resultados.

Por isso, cada vez mais agências e clientes precisam alinhar as expectativas e se adequar a um novo cenário e momento da comunicação. A criatividade e a credibilidade na produção de conteúdo são ferramentas essenciais na realidade atual, em que novos meios e formatos surgiram em paralelo à necessidade de comunicar.

A propaganda nada mais é do que essa necessidade. E o desejo de receber e transmitir informações não vai morrer nunca. É uma busca inerente ao ser humano. Olhe em volta e comprove.

escrito por Katia Michelle 

 

2 Comentários

  1. Very good your content congratulations

  2. Adorei seu site. Conteudo de muita qualidade. Obrigado de verdade. Abraço e sucesso

Deixe uma resposta para murilo alves Cancelar resposta

Seu e-mail não será publicado.

*