Compartilhe
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedIn

Com uma ideia na cabeça e muitas dúvidas no coração, alguns empreendedores têm nos acessado para esclarecer questões de como podem lançar uma marca com o pé direito no mercado. Sim, porque não basta ter um produto ou serviço incrível, se ninguém sabe nem ouviu falar.

Entendemos que começar certo é essencial, então vamos contar aqui quais são os primeiros passos que percorremos para construir uma boa marca.

 

1 – NAMING

O primeiro passo, na maioria dos casos, é definir o nome. Nesta fase é importante tentar prever se a empresa oferecerá, mesmo que a longo prazo, um portfólio de produtos ou serviços sempre semelhantes.

Caso sim, a escolha do nome pode ser focada no seu primeiro produto ou serviço.  Caso não, será necessário escolher um nome mais abrangente. Por exemplo: se sua empresa vai começar fornecendo cupcakes, mas um dia poderá fornecer salgados, você não deve escolher um nome que remeta apenas a doces. Então, planejamento é essencial.

Definido o escopo da empresa, o próximo passo é listar todas as palavras que podemos relacionar com este escopo, desde o produto em si, até as emoções e benefícios que ele proporcionara aos seus consumidores. Os objetivos da empresa, sua missão e valores também são importantes e podem ser o mote do nome.

Nesta fase fazemos brainstormings com combinações de palavras até encontrar o nome ideal.

Aí você pode nos perguntar: mas o que caracteriza o nome ideal?

O nome ideal é um nome não muito longo, cujo significado remeta aos conceitos da empresa, que seja fácil de lembrar, original, que tenha boa sonoridade. Porém, cada dia é mais difícil encontrar nomes com essas características que ainda estejam livres para registro de domínio na internet ou para registro no INPI – Instituto Nacional da Propriedade Industrial.

Então, criatividade e expertise são essenciais e existem alguns cuidados que procuramos priorizar. Tentamos evitar nomes muito longos por pesarem muito na composição do logotipo, que pode ficar com a legibilidade prejudicada nas reduções.

Quando a criação caminha para a escolha de um nome estrangeiro, procuramos usar termos mais conhecidos no Brasil que sejam fáceis de pronunciar.

Outro cuidado importante é relativo ao significado. O ideal é que o nome tenha ligação com o produto ou serviço oferecido. Caso isso não seja possível, ou não seja desejado, pode-se adicionar uma assinatura ou slogan que explique do que se trata.

 

2 – ESCOLHA DO DOMÍNIO NA INTERNET

Diante de alternativas que se aproximam do ideal, já começamos a pesquisar os domínios na Internet. Quanto mais curto o endereço do site da sua empresa, melhor, mas, como também são cada vez menores as opções de domínios vagos, pode ser necessário acrescentar a assinatura da empresa no domínio.

 

3 – PÁGINAS NAS REDES SOCIAIS

Se já temos certeza sobre o nome da empresa, se já temos o domínio reservado, é aconselhável já abrir página nas principais redes sociais sem publicá-las, apenas para reserva-las enquanto se constrói a marca.

 

3 – REGISTRO DO NOME NO INPI

Para garantir exclusividade do nome da empresa, produto, ou serviço dentro do seu segmento, com algum investimento, é possível fazer o registro do nome e do logotipo no Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Para isso existem boas empresas de consultoria que orientam e conduzem todo o processo.

 

4 – CRIAÇÃO DO LOGOTIPO

Um logotipo clássico é composto de um símbolo, um lettering e uma assinatura. Em alguns casos, um ou dois elementos podem ser suprimidos.

O símbolo é um desenho ou elemento gráfico – figurativo ou abstrato – cujo significado deve estar ligado a algum conceito ou característica da empresa.

Quanto maior a simplicidade do símbolo, maior será a sua pregnância, ou seja, mais rapidamente será captado e mais facilmente ele será lembrado. Por outro lado, quanto mais criativo e belo, maior será a notoriedade. Portanto, a habilidade e o expertise do designer são fundamentais para encontrar um resultado que contemple estes dois pontos chave.

O lettering é o nome da empresa, serviço ou produto escrito com uma fonte específica que deve conferir personalidade à marca, independente de ser exclusivo ou não.  Muitos clientes fazem questão de ter o nome da empresa escrito no logotipo com um alfabeto de design exclusivo. Esta diretriz demanda mais tempo e custo para a criação, mas seu resultado é, de fato, único.

logo_d-espaco

A assinatura é o texto em tamanho menor que complementa a marca mencionando a área de atuação da empresa ou o seu slogan.

 

Uma marca muito conhecida pode ser representada apenas com o símbolo, como a da Nike, por exemplo, pois a quase totalidade da população já sabe a que se refere.

Outras podem optar apenas pelo lettering, sem símbolo e sem assinatura.

logo_plenaventura

 

Marcas cujo nome já mostra sua área de atuação dispensam a assinatura.

logo_casal_RD

 

A melhor maneira de testar um logotipo e analisar suas aplicações. No cartão de visitas, por exemplo, você pode testar se a logomarca suporta redução para até 2,5 ou 3 cm sem perder legibilidade.

 

Outro teste interessante é imprimir o logotipo em um papel A4 e distanciar-se dela para analisar a legibilidade à medida em que você se afasta. Logos com contornos muito finos ou com falta de contraste entre as cores dos elementos apresentarão problemas de legibilidade à distância e nas reduções.

 

5 – MANUAL DE IDENTIDADE

Para que os padrões de aplicação do seu logotipo sejam mantidos ao longo do tempo nas diversas mídias impressas e eletrônicas, as regras de aplicação devem estar reunidas no manual de identidade.  Ele deve conter:

  • especificações de cores;
  • versões horizontais ou verticais da marca, caso existam;
  • versões em negativo;
  • versões monocromáticas;
  • limite de redução;
  • comportamento sobre fundos coloridos.

 

6 – ARQUITETURA DE MARCA

Quando a empresa já nasce fazendo parte de um grupo, ou quando ela dará origem a outras marcas, é interessante criar elementos de identidade que possam permear os diversos logotipos para criar unidade, fortalecer e estruturar a arquitetura de marca.

Mas este assunto é mais complexo e fica para nosso próximo post. Acompanhe nosso blog ou baixe nossos conteúdos de forma gratuita em: http://www.casaldesignlovers.com.br/conteudo

texto by Adriana Lopes